Itaberá - 22 de janeiro de 2018
Previsão do Tempo: Rain

min 18°

max 28°

63% 0,45mm

Como criar Piapara

Além da carne leve e saborosa, o peixe, grande lutador quando fisgado, tem nos pesque e pague um destino certo de comércio
agronegócio, diversos

Olá! Esta notícia foi publicada a mais de 3 meses! O contéudo pode não refletir um cenário atualizado, estar defasado ou pode ter se tornado irrelevante. Boa leitura! :)


Por Ame Noticias - 9 de agosto de 2014 - 16:11

Como criar Piapara

Piscicultores brasileiros e interessados na atividade têm nos rios daqui uma grande oferta de peixes para criar em cativeiro. Cada espécie tem sua particularidade, que determina os aspectos de seu manejo e região de cultivo. Para espaços pequenos em sítios e chácaras, com uso de tanques escavados, a piapara é uma opção indicada para o produtor que tem poucos recursos e planeja iniciar uma nova fonte de rendimento.

De baixo custo e adaptada às técnicas de criação existentes, a piapara conta com várias vantagens de produção e comerciais. Peixe que come de tudo, desde vegetais, algas, larvas, insetos até crustáceos, podendo até viver apenas com uma dieta herbívora, tem rápido ganho de peso e boa conversão alimentar com o consumo de ração peletizada. Apesar de necessitar de aplicação de hormônios, procedimento recomendado para ser feito com acompanhamento de um profissional, a reprodução em cativeiro apresenta bom resultado.

Por ser resistente quando fisgada na água, característica que atrai quem gosta de pesca esportiva, a piapara também conta com um mercado de destino certo. É bem aceita para preencher lagos em estabelecimentos que oferecem serviços de pesque e pague. De alto valor comercial, leve e saborosa, a carne do peixe, por sua vez, é um alimento saudável apreciado nas refeições da população, sendo mais apreciada do que a dos seus primos piau e piauçu.

De origem do Rio Paraguai, afluente do Rio Paraná, a piapara é encontrada em grande parte das bacias hidrográficas do país o ano todo, sobretudo nos meses mais quentes. Tem presença no Pantanal mato-grossense e nos Estados do Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Bahia, Sergipe, Alagoas e Pernambuco, além das bacias Amazônica e do Araguaia-Tocantins.

Entre as duas espécies que existem, a Leporinus elongatus é distribuída pelas bacias dos rios São Francisco, Jequitinhonha e Paraná, enquanto que a Leporinus obtusidens, também chamada de piava na Região Sul, está mais presente nas bacias dos rios Paraná, Uruguai, Paraguai e Guaíba.

Peixe de escamas e de corpo alongado, que chega a medir, em média, 40 centímetros de comprimento, a piapara adulta pesa 1,5 quilo. Há casos em que exemplares atingem até 80 centímetros e 6 quilos de peso. A piapara tem coloração prateada com três manchas pretas nas laterais do corpo e nadadeiras ventrais, pélvicas, anal e caudal amareladas.
Junto com o piauçu e o piau, a piapara faz parte da família Anostomidae, cujas espécies possuem muitos dentes incisivos acomodados em uma boca pequena. São da ordem Characiformes, à qual pertence a maioria dos peixes de escamas conhecidos na América do Sul.

São duas espécies: a Leporinus elongatus, distribuída pelas bacias dos rios São Francisco, Jequitinhonha e Paraná, e a Leporinus obtusidens,  encontrada nas bacias dos rios Paraná, Uruguai, Paraguai e Guaíba”

Mãos à obra:

 INÍCIO: Mais fortes e resistentes do que as larvas, os alevinos oferecem menos riscos de perda na fase inicial da criação. Por isso, adquira-os de produtores com referência, que devem vender exemplares de qualidade com abdome roliço, cabeça pequena, agilidade, cor brilhante e nadadeiras perfeitas. Deixe os alevinos estocados num tanque-berçário até tornarem-se juvenis, quando, então, podem ser transportados para o tanque de engorda.

 AMBIENTE: A piapara gosta de ficar nas partes média e inferior e nas regiões marginais de águas paradas, com temperatura ideal mantida entre 22 ºC e 26 ºC. Em viveiro, o peixe necessita de renovação com mínimo de 10 litros de água por segundo para cada hectare de lâmina d’água, com pH entre 6 e 8. A densidade recomendada vai de 1,5 a 6 a 8 peixes por metro quadrado na criação extensiva, utilizando-se de aeradores em boa parte do dia no sistema intensivo.

VIVEIROS:  Disponibilize tanques escavados para o manejo das piaparas. Não são difíceis de serem construídos e se adequam a diferentes locais com espaço disponível. Uma área de 500 metros quadrados facilita para o criador lidar com a alimentação e a despesca dos peixes.

ALIMENTAÇÃO:  Como a piapara é onívora, a espécie não tem muitas restrições para se alimentar. Compre em lojas de produtos agropecuários ração comercial para peixes onívoros. Nas cinco primeiras semanas, forneça cerca de 5% da biomassa inicial com ração com 36% a 42% de proteína bruta e mínimo de 3.000 quilocalorias de energia digestível por quilo. Durante as cinco semanas seguintes, reduza gradativamente para 4% da biomassa com ração de 32% a 36% de proteína bruta e 2.500 quilocalorias de energia digestível por quilo. Na fase posterior, até a venda ou o abate, diminua para 3% da biomassa com ração de 28% a 32% de proteína bruta e 2.500 quilocalorias de energia digestível por quilo. Estudos científicos revelaram que 25% da proteína da ração devem ser de origem animal, para melhor desempenho da criação em cativeiro.

REPRODUÇÃO:  Em rios, a piapara precisa migrar para a cabeceira para que os órgãos reprodutores amadureçam totalmente antes da desova. Sem a correnteza da água para realizar esse processo (piracema) no tanque de criação, o peixe necessita receber aplicação de hormônio, para induzir a liberação dos gametas (óvulos e espermatozoides). O protocolo mais utilizado é a aplicação em duas doses, sendo a primeira contendo 10% e a segunda 90% da dose total do hormônio – o melhor é o extrato bruto de hipófise. Os reprodutores precisam estar quase prontos para desova, sendo os machos apresentando liberação de sêmen sob leve pressão abdominal e as fêmeas com ventre abaulado e com a papila genital inchada e avermelhada. Para assegurar a execução do procedimento, que demanda experiência, recomenda-se recorrer à ajuda de um profissional responsável ou produtor com prática.

Raio-X: Criação mínima: dois tanques de 500 metros cada
Custo: R$ 380 o milheiro
Retorno: pode ser vendido a partir de um ano de vida
Reprodução: uso de técnica de indução hormonal

Onde adquirir: é preciso verificar com criadores a disponibilidade de alevinos de acordo com o período de safra do peixe

Mais informações: orientação técnica qualificada é oferecida pelo Instituto de Pesca de São Paulo, Av. Francisco Matarazzo, 455, Parque da Água Branca, CEP 05001-900, São Paulo (SP)
Tel. (11) 3875-0116, instituto@pesca.sp.gov.br, www.pesca.sp.gov.br

*Eduardo Makoto Onaka é pesquisador do Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Pescado Continental, Instituto de Pesca, São José do Rio Preto (SP), Caixa Postal 1052, CEP 15025-970, tel. (17) 3232-1777, onakaem@pesca.sp.gov.br

Fonte: Globo Rural

Comentar

Deixe seu comentário

Atenção!Não escreva comentários contendo apenas letras Maiúsculas.

Todos os comentário postados aqui são de exclusiva responsabilidade de seus autores.
É reservado a nós apenas o direito de filtrá-los e moderá-los de acordo com nossos critérios.
Qualquer comentário com conteúdo discriminativo, com palavras ofensivas ou qualquer texto que seja julgado impróprio por nossos moderadores, serão automaticamente marcados como spam e não serão publicados.
A Ame Notícias incentiva a discussão de forma saudável e com respeito, se seu comentário não vier a ser aprovado e você discordar por algum motivo, sinta-se livre para entrar em contato conosco.

O seu endereço de email não será publicado
Campos obrigatórios são marcados *

WordPress Anti-Spam by WP-SpamShield


agenda

  • Não há eventos nos próximos dias.

newsletter

Assine nossa newsletter e receba nossas últimas notícias por email

conecte-se

Confira nossas atualizações nas redes sociais, e fique por dentro de tudo que acontece

twitter facebook